• Português
  • English
  • Español
  • Alemão
  • Chinês

Ampliação do Minha Casa Minha Vida vai despertar interesse de investidores, afirma especialista

Migalhas
05/02/2017

Governo quer ampliar programa para renda de até R$ 9 mil.

Recentemente, o governo Federal anunciou que pretende ampliar para R$ 9 mil o limite de renda mensal de famílias que podem ter um imóvel com os juros mais baixos do Minha Casa Minha Vida. Atualmente, o teto da faixa 3 do programa de habitação popular é de R$ 6,5 mil. A medida deve ser anunciada na segunda-feira, 6.

Para o advogado Leandro Bruno F. Mello Santos, sócio coordenador do departamento de Direito Imobiliário do escritório Braga Nascimento e Zilio Advogados Associados, 'um primeiro reflexo desta ampliação é que haverá um aumento nas vendas das unidades em estoque das construtoras e incorporadoras'.

Outra questão importante é que, segundo o advogado, com uma renda maior disponível para os novos negócios, o programa Minha Casa, Minha Vida será destinado a um novo tipo de público consumidor, aqueles que antes eram 'proibidos' de participar por conta dos altos rendimentos. 'A nova fatia de público também será atraída pelas vantagens de pagamento e de juros mais baixos.'

Além daqueles que desejam adquirir um novo imóvel, esta medida do governo, afirma o especialista, ainda vai despertar o interesse de investidores em retomar os negócios no setor.

'Possibilitando uma nova fatia de público, o governo abre as portas também para aqueles que já possuem um imóvel, mas gostariam de ter outro para complementar a renda.'

Para o advogado, a iniciativa vai fazer com que haja 'uma maior movimentação de dinheiro que, atualmente, está parado nas cadernetas de poupança ou em diversas outras formas de investimento'.

'Assim, podemos ver o retorno da solidez e da confiança em se investir no mercado imobiliário no País.'

A medida, que ainda necessita de aprovação final, trará outros impactos positivos nos setores imobiliário e da construção civil. 'Isso porque, se as unidades em estoque forem comercializadas, haverá um aumento no lançamento de novos empreendimentos e, consequentemente, na retomada da mão de obra e do emprego', explica Mello.

Outro ponto que o advogado observa é em relação ao acesso às novas moradias para a população brasileira.

'Com a ampliação da renda mensal para a aquisição destes imóveis, haverá a diminuição do déficit habitacional, principalmente nas grandes cidades, para as classes menos favorecidas e/ou emergentes.'

Fonte: Migalhas